Demora na indicação de novo PGR traz ‘prejuízo significativo’, diz Gurgel
Roberto Gurgel deixa a PGR na interinidade

Demora na indicação de novo PGR traz ‘prejuízo significativo’, diz Gurgel

 Mandato do Procurador-Geral da República termina 5a. feira

Débora Santos Da TV Globo

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel – o mesmo que, dia 7, fez divulgar parecer em processo sugerindo ao TSE a cassação da governadora Roseana Sarney e de seu vice, Washington Oliveira -, afirmou, ontem (12),  que a demora na indicação de um substituto para o cargo traz “prejuízo significativo” para o trabalho do Ministério Público Federal e para o julgamento dos recursos dos condenados no processo do mensalão.

O mandato do atual procurador-geral termina nesta quinta-feira (15), e a p

Roberto Gurgel deixa a PGR na interinidade

residente da República, Dilma Rousseff, ainda não indicou o nome de quem vai sucedê-lo.

Não é razoável que estejamos caminhando mais uma vez para a interinidade. É indesejável, porque há sempre muitos assuntos de relevância submetidos à PGR e seria fundamental já ter o titular do cargo.”

“Prejudica a tudo. Não é razoável que estejamos caminhando mais uma vez para a interinidade. É indesejável, porque há sempre muitos assuntos de relevância submetidos à PGR e seria fundamental já ter o titular do cargo. Não só em relação à AP 470 [ação penal do caso do mensalão], mas para o Ministério Público como um todo, traz um prejuízo significativo”, disse Gurgel, ao final da cerimônia de posse dos novos integrantes do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

Após decisão da presidente da República, o indicado para assumir a PGR ainda terá de ser sabatinado pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado e ter o nome aprovado em plenário.

Em abril, a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) enviou à presidência uma lista com os nomes de três procuradores eleitos pela categoria para suceder Gurgel.

O subprocurador da República Rodrigo Janot foi o mais votado, seguido por Ela Wiecko e Deborah Duprat. Pela tradição, a presidente deverá escolher um desses três nomes.

Até que seja concluído esse processo, a regra é que o cargo seja ocupado interinamente pelo vice-presidente do Conselho Superior do Ministério Público Federal. Esse cargo também estará vago a partir desta terça (13), quando termina o mandato da atual vice, Maria Caetana Cintra Santos.

Uma reunião extraordinária do Conselho já está marcada para esta terça com o objetivo de eleger um vice-presidente que vai comandar o Ministério Público Federal até o final do processo de indicação do novo PGR.

“O que sempre se espera é que a indicação se faça há tempo, como era usual no passado, para que haja transmissão desse cargo”, lamentou Gurgel.

Prisões
Às vésperas do início do julgamento dos recursos dos réus no mensalão, Gurgel voltou a defender o começo da execução da penas dos condenados. Segundo ele, os mandados de prisão deveriam ter sido expedidos em dezembro do ano passado.

“Teremos que esperar a conclusão dos embargos. No entendimento do MP, esses mandados de prisão tinham que ter sido expedidos tão logo encerrado o julgamento, em dezembro do ano passado. Mas esse não é o entendimento do STF que vai esperar o fim do julgamento”, disse o procurador-geral.

 

 

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta