Demissão de Gastão do FNDE pode refletir perda de força de Sarney com Temer

Demissão de Gastão do FNDE pode refletir perda de força de Sarney com Temer

Publicado blog do John Cutrim

A exoneração de Gastão Vieira da presidência do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) – perdeu o lugar para Sie Sousa Pinheiro, da Bahia, indicação do prefeito de Salvador ACM Neto – sinaliza que a relação do ex-senador José Sarney com o presidente Michel Temer não é das melhores.

Em entrevista ao programa ‘Ponto e Vírgula’, da rádio Difusora FM, Gastão Vieira (PROS), aliado de muitos anos da família Sarney, disse que foi pego de surpresa com a decisão de Temer de demiti-lo. É que apesar das investidas para derrubá-lo, Gastão recebeu a garantia de José Sarney de que continuaria no cargo. O deputado federal Hildo Rocha,  homem de recados do grupo Sarney, chegou a conversar com Gastão dando-lhe certeza de que continuaria no comando do FNDE.

No FNDE, Gastão Vieira chegou a prestar favores à família Sarney. Antes, o órgão reprovou parcialmente as contas do Projovem Urbano no exercício de 2010, durante o Governo Roseana Sarney, responsabilizando-a pelo prejuízo aos cofres públicos de mais de meio milhão de reais (R$ 559 mil), por pagamentos superiores ao devido e ausência de comprovação das despesas, conforme autoria realizada em 2013. Para se defender, Roseana alegou que o Termo de Adesão ao programa foi assinado em 2010 pelo então vice-governador João Alberto, e por isso seria ele o responsável pelo ressarcimento ao erário. Inicialmente, o FNDE não acatou a defesa da ex-governadora.

Mas, em um surpreendente reexame, o FNDE, então presidido por Gastão Vieira por obra, graça e indicação do ex-senador José Sarney, acabou voltando atrás e aceitou a tese da defesa da ex-governadora, mantendo apenas o ex-vice-governador João Alberto e os ex-secretários, como responsáveis pelos recursos desviados. A informação foi publicada pelo blog do jornalista Raimundo Garrone.

Com os favores prestados ao clã, Gastão Vieira, que na entrevista à Difusora fez duras críticas ao governo Flávio Dino, contava com a proteção de José Sarney para continuar no FNDE. Só não esperava o distanciamento de Temer e Sarney. Entre os vários motivos, como a falta de cargos e espaços importantes no governo Michel Temer, José Sarney reclama do degaste de Sarney Filho no ministério do Meio Ambiente. Sarney entende que Temer não tem dado o apoio necessário ao filho, que pode cair a qualquer momento, diante das críticas e da forte oposição que vem recebendo.

Magoado, o oligarca maranhense chegou a declarar recentemente que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso poderia assumir a Presidência da República numa eleição indireta, decidida no Congresso Nacional. Ressentido com a falta de prestígio na gestão Temer e, claro, pensando na frente, já que a administração do PMDB está em ruínas, Sarney se aproxima do PSDB, tendo em vista a ótima relação que desfruta com FHC (Roseana e o pai fizeram campanha para Fernando Henrique no Maranhão nas sua eleição presidencial). Não é à toa, dizem, que Sarney votou em Aécio para presidente. Da mesma forma como previu a queda de Dilma, Sarney acha que assim será com Temer.

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta