Delator da Lava Jato detalha repasse de propina a ex-ministro Edison Lobão
O cerco se fecha sobre lobão quando oa ssunto é propina da lava jato. Ele nega as ausações do dono da UTC

Delator da Lava Jato detalha repasse de propina a ex-ministro Edison Lobão

Ricardo Pessoa disse que procurou Lobão e pagou R$ 1 milhão a ele. Defesa do ex-ministro de Minas e Energia afirmou que não há provas.

Documentos obtidos pelo Jornal Nacional apontam que o dono da construtora UTC, Ricardo Pessoa, declarou que pagou R$ 1 milhão para o então ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, e detalhou as negociações. As declarações foram feitas na delação premiada do empreiteiro, durante as investigações da Operação Lava Jato.

Pessoa afirmou que procurou Lobão, enquanto ele era ministro de Minas e Energia, para pedir que houvesse ingerência política em favor dos interesses do consórcio responsável pelas obras da usina nuclear Angra 3. A UTC, empresa de Pessoa, faz parte do consórcio reponsável pela obra. Em troca, Pessoa declarou ter repassado R$ 1 milhão a Lobão, em duas ou três parcleas.

A defesa de Lobão, que hoje é senador pelo PMDB, informou que Ricardo Pessoa não apresentou provas e que os depoimentos não possuem qualquer respaldo jurídico. O advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, disse, ainda, que o senador jamais autorizou qualquer pessoa a falar em nome dele e que irá esclarecer os fatos quando tiver acesso aos depoimentos.

O funcionamento da usina Angra 3 está previsto para ter início em 2018 e o custo total da obra é de mais de R$ 15 bilhões.

O cerco se fecha sobre Lobão quando o assunto é propina da lava jato. Ele nega as ausações do dono da UTC

Negociação
Segundo Pessoa, a negociação ocorreu em duas reuniões oficiais entre maio e julho de 2014, quando Lobão teria indicado o nome de André Serwi pra receber pagamentos em seu nome.

Os documentos apontam que o empreiteiro afirmou aos investigadores da Lava Jato que Lobão tinha uma relação de muita proximidade com a família de Serwi. De acordo com Pessoa, Serwi chamava Lobão de “meu tio”. Além disso, segundo o delator, o pai de Serwi e Lobão foram sócios na década de 1970.

A reportagem do Jornal Nacional procurou Serwi em endereços da família em Brasília, mas a informação, em dois locais, foi de que ele se mudou. No telefone indicado por Pessoa, que seria de Serwi, ninguém atendeu as ligações.

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta