Chegou a vez de Renan, o tetra-presidente do Senado, ser citado na Lava Jato. Ele nega tudo
O tetra-presidente dp Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), é citado na Lava Jato, mas o bicho nega e nega...

Chegou a vez de Renan, o tetra-presidente do Senado, ser citado na Lava Jato. Ele nega tudo

Presidente do Senado diz chance de ter-se reunido com qualquer dos envolvidos com esquema que operava na Petrobras é “praticamente, zero”. Nome dele estaria na lista de políticos a serem denunciados ao STF

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), negou ontem ter mantido encontros com o doleiro Alberto Youssef, preso na Operação Lava Jato da Polícia Federal. Renan disse que não conhece “nenhum desses” envolvidos no esquema de corrupção da Petrobras. “Sinceramente, a chance de que eu possa ter tido encontro com essa gente é zero. Absolutamente zero. Nenhuma chance”, afirmou.

O nome do peemedebista aparece na suposta lista de políticos envolvidos com o esquema de corrupção na Petrobras, mas Renan nega qualquer envolvimento com o esquema de desvio de recursos da estatal.

Os nomes dos políticos surgiram em depoimentos prestados à Justiça por Youssef e o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, que firmaram acordos de delação premiada com a Justiça. Os dois estão presos desde o ano passado. Renan disse que não sabe quem é e “nunca ouviu falar” em Youssef, a não ser pelos jornais. “Não sei nem quem é. Não conheço nenhum desses”, disse o senador.

Em depoimento à extinta CPI da Petrobras no ano passado, a ex-contadora de Youssef Meire Poza disse ter tom

O tetra-presidente dp Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), é citado na Lava Jato, mas o bicho nega e nega…

ado conhecimento de um encontro entre Calheiros e o doleiro em março do ano passado. Segundo ela, o doleiro iria captar R$ 25 milhões do Postalis, fundo de pensão dos Correios, para saldar dívidas de uma de suas empresas.

Poza afirmou que Youssef fez acordo com indicados do PT e do PMDB, que segundo ela controlam o fundo de pensão, para viabilizar a captação, mas teve que acertar com Calheiros “a ponta do PMDB”.

De acordo com Poza, o doleiro entrou em contato com o presidente do Senado para acertar a compra pelo Postalis de R$ 25 milhões em debêntures emitidos pela empresa de turismo Marsans, da qual Yousseff era sócio. A contadora afirmou ainda que a negociação nunca se concretizou porque Alberto Youssef foi preso dias depois do encontro com Renan.

Na época, a assessoria de imprensa do Postalis informou que, por decisão “eminentemente técnica”, a compra de debêntures não foi realizada. “Não havia nada na documentação analisada que pudesse ligar o papel aos senhores Paulo Roberto Costa e/ou Alberto Youssef”, informou o fundo.

O presidente do Senado nega as acusações, ao afirmar que nunca se encontrou com o doleiro.

Denúncias

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, vai indicar todos os políticos que serão investigados, incluindo os crimes de que são suspeitos, no bloco de denúncias e pedidos de abertura de apuração relativos à Operação Lava Jato que irá apresentar ainda este mês ao STF (Supremo Tribunal Federal).

Quando os pedidos forem feitos ao Supremo, Janot revelará a lista com todos os denunciados e indiciados. Serão apresentadas denúncias contra políticos que o Ministério Público considera já ter provas de participação no esquema. (das agências de notícias)

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta