Cerca de 50 pessoas presas no DF por protestar contra regalias a mensaleiros
Objetos apreendidos com manifestantes presos pela PM-DF nesta sexta (15) (Foto: Filipe Matoso/G1)

Cerca de 50 pessoas presas no DF por protestar contra regalias a mensaleiros

G1 Brasília

Segundo major, houve ‘risco real’ de invasão dos edifícios em manifestação.
Advogado diz que prisão foi arbitrária e que tentará liberdade provisória.

A Polícia Militar do Distrito Federal informou que levou para a delegacia cerca de 50 pessoas nesta sexta-feira (15) após manifestação na Praça dos Três Poderes, em Brasília, local onde estão localizados o Supremo Tribunal Federal (STF), o Palácio do Planalto e o Congresso Nacional. Segundo a PM, os manifestantes foram detidos ao romperem barreiras de proteção do STF e do Planalto; cerca de 14 eram menores e foram encaminhados para a Delegacia da Criança e do Adolescente.

De acordo com os próprios manifestantes, um dos motivos do protesto era o que chamaram de “regalias” para os condenados no processo do mensalão presos nesta sexta, como o fato de não terem sido usadas algemas nas prisões. O presidente do STF, Joaquim Barbosa, expediu mandado de prisão de 12 réus no meio da tarde.

Segundo a PM, foram encontrados com os manifestantes máscaras, rojões, artefatos para produção de coquetel molotov, drogas e canivete. Os 50 manifestantes foram encaminhados à 5ª Delegacia de Polícia Civil, responsável por investigar os crimes cometidos na região central de Brasília.

O major Claudio Santos disse ao G1 que a acusação contra os detidos é de formação de quadrilha e dano ao patrimônio público.

“O problema é que eles passaram da barreira aceitável para manifestação e passaram a ter atitudes agressivas, começaram a forçar a barreira do Planalto e do STF. E aí quando quebrou a Polícia Militar agiu porque havia o risco real de eles invadirem as duas casas”, afirmou o major.

Ainda segundo ele, a detenção foi feita após as barreiras de ferro serem rompidas. “A partir da hora que eles passaram daquela área que era aceitável, nós intervimos e fizemos a detenção. Não houve confronto físico, a gente fez a imobilização de forma muito rápida e sem violência”, completou.

De acordo com o major, 180  policiais participaram da operação. “Eles foram agressivos, temos filmagens, elas vão ser analisadas. As pessoas serão confrontadas com imagens e aqueles em que for comprovada a participação, eles vão arcar com suas ações”, afirmou.

O advogado que defende os manifestantes, Gilson dos Santos, afirmou que vai pedir a liberdade provisória para que eles não sejam levados para um presídio. “O delegado informou que não vai ter fiança porque estão sendo autuados por dano e formação de quadrilha. Como os dois são combinados, não dá fiança. Vamos entrar com liberdade provisória para ver se eles não são transferidos para o presídio, eles ficariam na carceragem”, afirmou o advogado.

Para ele, a ação da polícia foi “arbitrária”. “O delegado está fazendo a prisão de forma arbitrária. No direito penal, você tem que individualizar a pena. Se só tem duas grades quebradas, só duas pessoas podem ser presas, que são as pessoas que quebraram. Então basta que o policial diga quem foi o responsável”, argumentou o Gilson dos Santos.

O advogado informou ao G1 que foram autuados 25 homens e sete mulheres; até as 0h, 12 homens e 3 mulheres ainda permaneciam na 5ª DP. De acordo com a Polícia Militar, não houve pichação ou depredação do Palácio do Planalto ou do Supremo Tribunal Federal.

 

Objetos apreendidos com manifestantes presos pela PM-DF nesta sexta (15) (Foto: Filipe Matoso/G1)

Delegacia para onde foram levados manifestantes após tentativa de invadir STF e Planalto (Foto: Filipe Matoso/G1)

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta