Assassinado Cabo Silva, a voz do inconformismo na região do Cohatrac

Assassinado Cabo Silva, a voz do inconformismo na região do Cohatrac

Bandidos calaram uma das vozes mais inconformadas de São Luís. Na tarde de ontem (08),  o cabo reformado da Polícia Militar, Leônidas Rabelo Silva, foi assassinado no conjunto Cohabiano, próximo ao Cohatrac IV, em São Luís. Cabo Silva, como era conhecido, estava conversando com amigos quando foi atingido por dois disparos, por volta das 17h30. O responsável pelos tiros teria saído de um carro Vectra cinza, acompanhado de outros três elementos.

O policial chegou a ser levado ao hospital Clementino Moura (Socorrão II), no bairro da Cidade Operária, mas não resistiu aos ferimentos. A polícia já está investigando o caso e já trabalha com a hipótese de acerto de contas, já que o cabo Silva denunciou, recentemente, a invasão de alguns terrenos na capital.

Cabo Silva era conhecido por toda a grande  São Luís e boa parte do Maranhão, por ser um ativo defensor das comunidades em torno do bairro do Cohatrac, onde exercia certa liderança.  Morava no Cohabianos, município de São José de Ribamar,  e denunciava, principalmente nos programas de rádio AM, desde os péssimos serviços de infraestrutura prestados aos bairros, na região,  a invasões  de áreas públicas. Chegou a ser candidato a deputado estadual.

Ligações com outro crime

A Polícia trabalha com a hipótese que os criminosos que assassinaram o cabo da reformado da Polícia Militar, Leonidas Rabelo Silva, pode ter participado execução de Jorge Luís Teixeira Pinheiro, na região do Parque Jair, município de São José de Ribamar. O crime aconteceu por volta das 18h30 dess terça-feira (9), uma hora depois da morte do militar, no conjunto Cohabiano, próximo ao Cohatrac IV, Região Metropolitana da Capital Maranhense.

Sobre o assassinato no Parque Jair, a polícia relata que Jorge Luís Teixeira Pinheiro estava em companhia de um ex-presidiário, identificado apenas como “Mike”. Eles foram surpreendidos pelos criminosos. Ao perceber que iria ser morto, Mike correu enquanto Jorge Luís não teve a mesma sorte. Ele ficou parado e morreu de graça, pois segundo testemunhas, não tinha passagem pela polícia.

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta