Aposentadoria de Sarney é vitória histórica do PT Amapá que resistiu às pressões do oligarca

Aposentadoria de Sarney é vitória histórica do PT Amapá que resistiu às pressões do oligarca

Por Heverson Castro (de Macapá), editorial do blog*
Uma vitória da aliança PT/PSB e de toda a Frente Popular, iniciada em 2010, ainda no primeiro turno da campanha eleitoral e ampliada no segundo turno com a adesão de outros partidos e forças políticas como o PCdoB. Assim pode definir o anúncio da aposentadoria política do senador José Sarney (PMDB_.
A aliança do PT com o PSB em 2010 elegeu o governador Camilo Capiberibe e a vice-governadora Dora Nascimento, consolidando uma derrota histórica ao grupo que durante oito anos governou o Amapá, saqueando os cofres, sufocando e cooptando parte da “esquerda”, sob o comando do maestro Sarney que conduzia e comandava, mesmo distante do solo amapaense, o consórcio de poder denominado “harmonia”.
A vitória contra Sarney também é reflexo da posição adotada pelo grupo da vice-governadora e do presidente estadual do PT, Joel Banha, apoiado por delegados e militantes do PT Amapá que ousaram enfrentar Sarney e ao mesmo tempo não cederam às pressões do coronel maranhense sob Lula e Dilma para que o petismo local se aliasse ao PMDB.Ao contrário do que muitos analistas de plantão propalavam, o petismo local aprovou a reedição da aliança de 2010 em Encontro, garantindo apoio a reeleição do governador Camilo Capiberibe e ousou ao homologar a pré-candidatura de Dora Nascimento ao Senado, que já tinha sido debatida e aprovada em outras instâncias partidárias. Não contente, o PT ainda aprovou no seu Encontro Estadual realizado no último dia 14, uma moção de repúdio à Sarney sob o título: “Sarney não nos representa”.
 

O blogueiro Heverson Castro conta, em editorial, como o PT local “brecou” as pretensões de José Sarney de continuar senador
O PMDB ainda insistiu que o PT apoiasse uma possível reeleição do oligarca maranhense, que há 24 anos usurpa politicamente um mandato do Amapá, elegendo-se sempre com campanhas bancadas por uma elite corrupta e empresários com forte influência política. A ausência de Sarney das terras tucujus só comprova que o Amapá tem apenas dois senadores na atualidade e o Maranhão é o único estado da federação que conta com quatro senadores da República.A prova máxima de que o PT foi  o fiel da balança na decisão de Sarney é que se o partido tivesse cedidoàs pressões de Sarney pra tê-lo em seu palanque por uma nova eleição, o mesmo teria mantido sua candidatura.
Já que Dora, Joel e o PT local bateram o pé, e assim como Davi Alcolumbre (DEM), decidiram manter a posição de contrariar Sarney, o ex-presidente da República decidiu recuar pra não encerrar sua carreira com uma derrota histórica, o que já era previsível conforme as pesquisas de consumo interno encomendada por vários partidos.Muitos petistas gritavam durante a inauguração do Conjunto Macapaba na presença da presidenta Dilma, palavras de ordem que vão ficar marcadas na história como os gritos que fizeram Sarney consolidar sua aposentadoria.
O povo junto com militantes do PT e do PSB bradavam: Fora Sarney! Fora Sarney! Além disso, os petistas gritavam: Olê, olê, olá Dilma, Dilma, Olé, olé, olá Dora, Dora! Ao mesmo tempo em que aplaudiam e apoiavam o governador Camilo Capiberibe.
Mas a plateia e o povo foi à loucura quando Dilma jogou confetes na vice-governadora Dora Nascimento, chamando-a de “guerreira” e levantando a bola da única vice-governadora mulher e negra do PT em todo o país.Dilma fez pouca referência à Sarney. Já Dora Nascimento que já havia sido elogiada pela presidente em outras ocasiões, permaneceu discreta como é de seu perfil, observando toda a movimentação dos bastidores da inauguração do Macapaba.O que ficou visto no evento é que os petistas do Amapá querem Dilma e Camilo novamente em outubro, mas não aceitariam a possibilidade levantada por setores nacionais do PT de que era preciso apoiar uma nova eleição de Sarney.

A rebeldia do PT local e de antigos aliados de Sarney como Davi Alcolumbre, que tem uma relação familiar histórica e de interesses com o senador, já que a maioria das concessões de rádios e TV´s da família no foram “presentes” do “eterno amigo” dos Alcolumbre, fizeram o ex-aliado da ditadura militar jogar a toalha.
Essa sem dúvida é melhor notícia dada ao povo amapaense nos últimos 24 anos, desde que o Amapá fez a sua primeira eleição direta pra governador em 1990.Mas a aposentadoria de Sarney também é uma vitória da esquerda, do PT e de toda a Frente Popular, principalmente do PSB, adversário histórico do pemedebista, sob o reinado do oligarca que durou mais de duas décadas e comprovou que não somos mais um Capitania Hereditária, um puxadinho ou uma Província do Maranhão.

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta