Além do pai, Sarney Filho é citado por Machado e pode ser o quarto ministro de Temer a cair
Sarney Filho: Lava Jato e o efeito bumerangue

Além do pai, Sarney Filho é citado por Machado e pode ser o quarto ministro de Temer a cair

Dos R$ 18 milhões em propina que teriam sido entregues ao ex-presidente da República, José Sarney, segundo o0 ex-presidente da Trnaspetro, Sérgio Machado, em delação premiada, R$ 400 mil foram recebidos pelo seu filho, deputado federal Sarney Filho, atual ministro do Meio-Ambiente.

A revelação torna Sarney Filho candidato a ser o quarto ministro a deixar o Governo interino de Temer, em pouco mais de um mês de instalado já que o ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, com fortes ligações com o presidente interino da República e cardeal do PMDB, pediu demissão hoje, 16, e tornou-se a terceira baixa do novo primeiro escalão da República.

José Sarney, Romero Jucá e Edison Lobão
Responsável pelas defesas do ex-presidente José Sarney (PMDB-AP) e dos senadores Romero Jucá (PMDB-RR) e Edison Lobão (PMDB-MA), o criminalista Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, afirmou que eles negam “peremptoriamente” terem recebido qualquer valor, “a qualquer título”, de Sérgio Machado.

“Esta delação tem que ser vista com muita ressalva, dadas as circunstâncias em que foi feita, para impedir a prisão de dois filhos dele [Machado]”, declarou o advogado.

Sarney Filho: Lava Jato e o efeito bumerangue

Em nota divulgada nesta quinta-feira (16),  Sarney diz que não há na delação nenhuma afirmação verdadeira sobre ele.

“Nunca recebi das mãos desse senhor nenhum centavo. Nunca discuti com os senadores Renan Calheiros e Romero Jucá questão relativa a recursos financeiros”, afirma o ex-presidente (leia a íntegra ao fim da reportagem).

Sarney Filho
Em nota, o ministro Sarney Filho chamou o ex-presidente da Transpetro de “monstro moral”, “picareta” e “marginal” que, segundo ele, “chegou ao cúmulo de gravar uma pessoa de 86 anos no leito de hospital”.

Quando fez a declaração, Sarney Filho ainda não sabia da declaração de Machado de que ele próprio havia sido o portador de 400 mil reais do total da propina endereçada ao pai.

Sarney Filho disse ainda que dizer que doações oficiais, amplamente publicizadas e aprovadas pela Justiça Eleitoral, seriam produto de ‘vantagens indevidas’, pedidas por meu pai, é muito fácil para um picareta que, como ele, não teve o pudor de usar seus três filhos na roubalheira bilionária que promoveu”.

“Vi esse marginal várias vezes na casa de meu pai, de quem se dizia amigo, porém nunca conversamos nada que levantasse de minha parte a menor suspeita sobre o bandido que ele é”, concluiu o minist na nota.

Quando fez a declaração, Sarney Filho ainda não sabia da declaração de Machado de que ele próprio havia sido o portador de 400 mil reais do total da propina endereçada ao pai…

A lista de Sérgio Machado (Foto: Editoria de Arte/G1)A lista de Sérgio Machado (Foto: Editoria de Arte/G1)

 

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta