A péssima qualidade na contrução e reformas de estradas estaduais. A quem recorrer?
Uma foto, digamos, "detalhando" mais o tipo de buracos na MA-034, reformaa há pouco tempo...

A péssima qualidade na contrução e reformas de estradas estaduais. A quem recorrer?

A MA-034, trecho de 55 quilômetros ligando “Palestina”, Buriti e Duque Bacelar, no Baixo Parnaíba, é um exemplo. A MA-014, que interliga vários municípios da Baixada, teve sua restauração iniciada, nunca terminou, mas os trechos restaurados já estão precisando de conserto…

A propaganda massiva do Governo do Estado alardeando a construção/reforma de estradas em todo o Maranhão  diz uma coisa, mas a realidade vivida pelos motoristas é outra completamente diversa.

O cidadão desavisado pensa assim:  há boa qualidade  do asfalto, colocação da base e sub-base necessárias para que a construção ou restauração de uma estrada seja duradoura e não se desmanche na primeira chuva torrencial que caia.

Mas esses ingredientes tão básicos para uma boa obra paga com o dinheiro do povo passam longe das obras das rodovias estaduais do Maranhão. Aqui, as obras com a assinatura do governo estadual dadas como concluídas, quase todas, em pouco tempo começam a sofrer imperfeições, como afundamentos, lombadas, buracos, e logo se transformam num caminho difícil para o tráfego de veículos automotores…

É inacreditável, mas muitas das reformas e construção de estradas anunciadas pelo governo não chegam ao primeiro ano em condições de trafegabilidade completa. Foi como verificamos, recentemente, num trecho de 30 quilômetros  da MA-034, que vai do entroncamento da BR-230, no povoado “Palestina”, à cidade de Buriti,  no Baixo Parnaíba. Que não resistiu 1 ano. Parece mais uma tábua de pirulito…

À extensão da MA-034, um trecho de 25 quilômetros  de Buriti a Duque Bacelar, está reservado um destino pior. Poucos meses depois de ser entregue como “nova” (embora tenha sido mal e porcamente “asfaltada” no governo Jackson Lago), a estrada já se desmancha a  olhos vistos, e tudo indica que não resiste a este inverno.

A MA-014

Um carros parou na estrada: problemas na suspensão..,.

, que começa em Vitória do Mearim, a 160 quilômetros de SãoLuís, e se estende até o povoado Três Marias, passando por Viana, Matinha, Olinda Nova, São Vicente de Férrer e São Bento,  cuja restauração foi anunciada com pompas, é um Deus nos acuda. Motoristas de ônibus, vãs e os condutores comuns que fazem viagens para esses  municípios da Baixada têm um verdadeiro pavor de trafegar por ela. Na verdade, a reforma completa, mesmo sofrível, apesar de  anunciada,   nunca se deu. E a parte que foi “restaurada” já está quase toda destruída.

Muitos outros exemplos podem ser citados por esse Maranhão a fora. Mas é pertinente se perguntar

Os buracos se sucedem por toda a extensão da MA-034

O que tem acontecido? As  empresas  construtoras de estradas cobram barato e o serviço tem que ser mesmo ruim? Ou cobram caro, não são fiscalizadas pelo governo e também fazem um serviço ruim? Os contratos assinados “amarram” ou não algum tipo de garantia? Seja o que for, uns dois, três ou quatro saem  ganhando. Só a população que, efetivamente, paga pelos serviços malfeitos, está perdendo.

Não vejo o Ministério Público do Estado do Maranhão verificando a qualidade dessas estradas, salvo melhor juízo. Não tenho notícias de que o Conselho Regional de Engenharia (Crea) dê um pio sobre o assunto.  Aqui e acolá,  solitários homens de imprensa tocam no assunto. O que se vê,  diariamente, é o choro dos motoristas, profissionais ou não, que cruzam as estradas estaduais do Maranhão.

Perguntamos: Além de manifestações populares escassas, alguém, alguma autoridade, algum dia,  vai fazer alguma coisa a respeito?

Uma foto, digamos, “detalhando” mais o tipo de buracos na MA-034, reformaa há pouco tempo…

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Este post tem um comentário

  1. antonio

    Gostaria que cv Machado, contaquitase comigo, tenho um
    comentário a respeito da estrada trecho Buriti a Duque Bacelar

Deixe uma resposta