A arrogância intelectual de Sarney e os capítulos tristes da história do Amapá marcados por corrupção

A arrogância intelectual de Sarney e os capítulos tristes da história do Amapá marcados por corrupção

“Com minha vocação intelectual, quis me ligar ao Amapá. O mundo conhece o Amapá por causa do meu livro Saraminda. Eu escrevi a história do Amapá. Daqui a 50 anos, quando quiserem saber da história do estado, vão ter de ler meus livros. Mas os que me insultaram ninguém vai saber quem foram.” (Senador José Sarney, ontem durante convenção do PDT)
Sarney discursa ao lado de Waldez Góes, condenado pela justiça e preso em 2010 na Operação “Mãos Limpas”
Mesmo derrotado politicamente, tendo que sair do Amapá pela porta dos fundos, o senador José Sarney não perde a sua arrogância e petulância intelectual. Sarney tentou provar algo pra si mesmo, pois o mundo e o Brasil não conheceram o Amapá por conta dele ou de suas obras.
Ao contrário o mundo e o Brasil conheceram o Amapá por conta do péssimo legado do grupo político que ele ainda é considerado o comandante em chefe, e que durante oito anos comandou com o denominado consórcio de poder batizado de “harmonia”.
Foram justamente seus afilhados políticos como Waldez Góes ( preso em 2010 pela em 2010 pela PF) e oficializado ontem como candidato ao governo PDT ao lado do oligarca, que o Amapá foi exibido no Brasil e no mundo de forma vergonhosa e negativa como um estado onde a corrupção imperava.São justamente os seus aliados, em sua maioria acusados de comandar volumosos esquemas de corrupção, como casal Marília e Waldez Góes, presos durante a Operação Mãos Limpas, acusados de cometerem o maior desvio de recursos públicos da histórica recente do Amapá, que escreveram tristes linhas da histórica recente do estado.
Esse capítulo tenebroso da história amapaense que vai ser estudado pelas gerações em livros e nas escolas, Sarney não lembrou, ontem, durante seu discurso. Ele é indiretamente o responsável pelo grupo político, apontado pela PF como uma “quadrilha” que é acusada de deixar um rombo de mais de 1 bilhão de reais.Portanto, Sarney, ajudou a escrever um dos piores capítulos da história do Amapá, que até hoje envergonha os amapaenses e serve de motivo de piada nacional.

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta