Primeira-dama francesa agradece brasileiros após ofensa de Bolsonaro

Primeira-dama francesa agradece brasileiros após ofensa de Bolsonaro

A mulher do presidente da França, Brigitte Macron, agradeceu aos brasileiros, nesta quinta-feira (29), pelo apoio após o comentário ofensivo do presidente Jair Bolsonaro.

 

AFP – Com um “muito obrigada” em português, a primeira-dama da França, Brigitte Macron, agradeceu às brasileiras nesta quinta-feira (29), pelo apoio gerado com a hashtag #DesculpaBrigitte, criada após comentário feito pelo presidente Jair Bolsonaro, que gerou crise diplomática entre os países.

“Eu só queria dizer […], pois vejo que existem câmeras, duas palavras para os brasileiros ―, em português ― meu português não é muito bom, mas lá vai: Muito obrigada!”, disse, em português, durante discurso em inauguração do Museu de Azincourt, em Pas-de-Calais, na França.

De volta ao francês, a primeira-dama continuou: “Muito, muito obrigado por todos aqueles que se engajaram. Os tempos mudam. Alguns estão no trem da mudança, mas nem todos estão: alguns permaneceram na plataforma.”

O movimento de apoio a Brigitte foi reforçado na última terça, quando o jornal francês Le Parisien divulgou que as mensagens teriam chegado até ela, que teria ficado emocionada. De acordo com assessores da primeira-dama ouvidos pelo jornal, ela ficou sabendo da campanha depois de deixar evento do G7.

“Além de mim, esse apoio é para todas as mulheres. Todas as mulheres foram afetadas pelo que aconteceu. E isso [machismo] é uma questão”, disse, ao ser aplaudida. “As coisas estão mudando, todo mundo precisa estar ciente disso. Há coisas que não podemos mais dizer e coisas que não podemos mais fazer. Espero que me entendam”, concluiu a primeira-dama.

Brigitte Macron: Um “muito obrigado” aos brasileiros em português para demonstrar gratidão pelo apoio, contra a agressão de Bolsonaro…
No sábado (24), um seguidor fez um comentário em uma publicação de Bolsonaro utilizando imagem em que Michelle Bolsonaro e Brigitte Macron são comparadas: “Entende agora porque Macron persegue Bolsonaro?”, dizia a imagem postada em rede social.

O seguidor postou a imagem nos comentários escrevendo ”é inveja presidente do Macron, pode crê”. O ex-deputado respondeu, dizendo “não humilha cara. Kkkkkkk”, dando a entender que valida a sugestão de que a beleza de Michelle seria o motivo pelo qual o Macron o “perseguiria” durante o G7.

Após o comentário, na segunda-feira (26), Macron, ao ser questionado por um jornalista francês sobre o assunto, afirmou em entrevista na cúpula do G7 que achava a situação triste e que “as mulheres brasileiras sem dúvida têm um pouco de vergonha [de seu presidente]”.

Desde quarta-feira (28), o comentário do presidente não estava mais disponível em suas redes sociais. © Fornecido por Oath Inc. Desde quarta-feira (28), o comentário do presidente não estava mais disponível em suas redes sociais.

Após crise diplomática gerada pelo comentário do presidente Jair Bolsonaro sobre Brigitte Macron, brasileiras manifestaram apoio à ela e criaram a hashtag #DesculpaBrigitte nas redes sociais.

Mesmo após o início da repercussão negativa do episódio, Bolsonaro declarou que não iria se desculpar com a primeira-dama da França pois não havia a ofendido. Mas, nesta quarta-feira (28), o comentário do presidente não estava mais disponível em suas redes sociais.

A hashtag #PardonBrigitte, em francês, também foi criada e difundida por brasileiros. A cantora e celebridade da internet Gretchen, e o escritor Paulo Coelho, outros internautas e celebridades se manifestaram dizendo que se sentem envergonhados pela fala do presidente, e que ele não os representa.

Além de diversas personalidades brasileiras, dois grupos de mulheres que moram na França iniciaram movimentos e publicaram manifestos de apoio a Brigitte.

“Brasileiras de Paris”, grupo com mais de 5 mil integrantes, publicou uma carta em francês em que exprimem “solidariedade e indignação”. O núcleo de Paris do “Grupo Mulheres do Brasil” também se posicionou e publicou um manifesto.

Em conversa com o HuffPost Brasil, Andrea Clemente, uma das líderes do núcleo de Paris, explicou como surgiu a iniciativa. “Quando observamos os ataques, nos sentimos pessoalmente ofendidas. Quisemos reafirmar propósitos, estender a mão e mostrar que nenhuma de nós está sozinha”.

José Machado

José da Silva Machado. Natural de Duque Bacelar - Maranhão, onde nasceu em 14 de junho de l957. Graduado em Comunicação Social, pela Universidade Federal do Maranhão, especialização Jornalismo. Foi repórter, editor e secretário de Redação nos jornais Pequeno, O Imparcial e Diário do Norte, em São Luís. Também foi diretor de Telejornalismo na TV Difusora (Rede Globo), no período 1985/198). Exerceu o cargo de Secretário de Estado de Imprensa e Divulgação do Governo do Estado (2006-2007). É poeta e escritor, tem lançado o livro "As Quatro Estações do Homem" e conclui o livro; "Os vinte contos de réis". Pai de 5 filhos e 1 neto.

Deixe uma resposta