Blog do Machado

contato@blogdomachado.com.br

26 de setembro de 2016 - 14:18:00

Sem comentários

Em Imperatriz, mesmo com formato engessado, debate da Mirante mostra Rosângela Curado bem melhor

Rosângela Curado TV

Com um formato engessado e horário injusto, o debate promovido pela TV Mirante de Imperatriz na noite do domingo (25) impediu o esperado confronto direto entre os candidatos Ildon Marques (PSB) e Rosângela Curado (PDT), favoritos na disputa pela Prefeitura de Imperatriz. Ribinha Cunha (PSC) e Assis Ramos (PMDB) tiveram participação dispensável no programa.

O debate teve quatro blocos, mas apenas um deles foi destinado à troca de perguntas livres entre os candidatos a prefeito. Os demais foram temáticos, sem o confronto de ideias esperado pelo eleitor. O último foi dedicado às considerações finais.

Contrariando as expectativas de todos, Ildon compareceu. Caricato e nitidamente fragilizado, buscou defender o legado de três gestões à frente do município. O nervosismo e o seu desconforto ficaram evidentes. Por várias vezes recorreu a um calhamaço de papéis para responder às perguntas, mas não fugiu de alfinetar o delegado Assis Ramos ao apertá-lo subjetivamente sobre estupro e pena de morte, por exemplo. O peemedebista se fez de desentendido.

Ramos recorreu ao discurso genérico de honestidade e moralidade que não combina com um candidato apoiado pelo clã Sarney. Questionado sobre saúde, educação, transparência ou cultura, a resposta era sempre a mesma: “vamos combater a corrupção”. Orientado por marqueteiros, tentou atenuar a virulência que lhe é peculiar, mas não conseguiu. No ponto alto de sua participação, chegou a insinuar que Ildon Marques seria corrupto e ficha suja. Só faltou dar voz de prisão ao dono do grupo Liliani.
A julgar pelo calor das redes sociais, o desempenho de Rosângela Curado foi o melhor do debate. Favorita, respondeu com segurança e tranquilidade aos questionamentos sobre saúde, educação infantil e esporte. Era nítido o esforço dos adversários para isolá-la. A pedetista, no entanto, encontrou o tom, transmitiu a credibilidade e o preparo esperado pelo eleitor, o que deve influenciar no seu desempenho junto ao eleitorado indeciso.

Leia mais...

16 de setembro de 2016 - 19:52:24

Sem comentários

Data M: Edivaldo atinge mais de 50% e seria eleito no primeiro turno, se a eleição fosse hoje

Edivaldo-Wellington-Eliziane

O prefeito Edivaldo Holanda Junior, candidato à reeleição pelo PDT, continua liderando com folga a corrida para a disputa da Prefeitura de São Luís, segundo nova pesquisa divulgada nesta sexta-feira (16), pelo Instituto Data M.

De acordo com o placar das intenções de voto, o candidato pedetista mantém a vantagem de mais de 14 pontos sobre Wellington do Curso (PP), atualmente seu principal adversário.

Na pesquisa estimulada, onde são apresentados os nomes dos candidatos ao eleitor, Edivaldo está com 40,7% de intenções de voto, Wellington do Curso com 25,8%, Eliziane Gama (PPS) com 7,8%, Fábio Câmara (PMDB) com 3,0%, Eduardo Braide (PMN) com 2,2%, Rose Sales (PMB) com 1,5%, Cláudia Durans (PSTU) com 1,4%, Zé Luis Lago (PPL) com 0,5% e Valdeny Barros (PSOL) não pontuou. 11,5% disseram que não votariam em nenhum dos candidatos e 5,6% não sabem ou não responderam.

Leia mais...

07 de julho de 2016 - 18:48:17

Sem comentários

Waldir Maranhão marca eleição do novo presidente da Câmara para a próxima quinta-feira

Waldir e o ato que marca eleição para a sucvessão de Eduardo Cunha e a dele próprio

O presidente em exercício da Câmara, deputado Waldir Maranhão (PP-MA), marcou para a próxima quinta-feira (14), às 16h, a eleição do substituto de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) no comando da Casa, informou a Secretaria-Geral da Mesa Diretora. A eleição será secreta e ocorrerá por meio do sistema eletrônico.

Os deputados que irão concorrer à sucessão de Cunha terão até as 12h da próxima quarta (13) para formalizar suas candidaturas. O eleito ocupará um mandato tampão até 31 de janeiro de 2017 – quando se encerraria originalmente o mandato do deputado do PMDB – e não poderá tentar a reeleição em fevereiro.

Eduardo Cunha renunciou a presidência da Câmara, no início da tarde desta quinta, por meio de um pronunciamento no salão nobre da Casa. Ele estava afastado do comando da Casa e do mandato de deputado federal desde 5 de maio por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

O comunicado que oficializou para a próxima quinta a eleição do novo presidente da Câmara foi lido nesta tarde, no plenário da Casa, pela deputada Erika Kokay (PT-DF), que presidia a sessão.

Os líderes partidários da Câmara irão se reunir ainda nesta quinta-feira para discutir sobre a eleição para o comando da Casa.

Líder do PSD e um dos pré-candidatos à sucessão de Cunha, o deputado Rogério Rosso (DF) quer antecipar a eleição. O parlamentar do PSD, que presidiu a comissão especial do impeachment na Câmara, está pressionando para que a votação ocorra já na segunda-feira (11).

No entanto, o primeiro-secretário da Câmara, deputado Beto Mansur (PRB-SP), defende que a eleição aconteça na quarta (13).

A partir da oficialização da renúncia de Cunha, Waldir Maranhão tinha até cinco sessões da Câmara para promover a eleição que escolherá o presidente para o mandato tampão.

A eleição do substituto
Qualquer deputado federal em exercício, à exceção de Eduardo Cunha, poderá participar da disputa que escolherá o novo presidente da Câmara.

Leia mais...

07 de julho de 2016 - 18:34:16

1 comentário

Finalmente! Eduardo Cunha renuncia à presidência da Câmara tentando salvar o mandato

Lágrimas de crocodilo? Cunha chora ao anunciar renúncia à presidência da Câmara. Quer salvar o mandato...

Chorando, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) renunciou à presidência da Câmara dos Deputados nesta quinta-feira (7) na tentativa de salvar o mandato: “Continuarei a defender a minha inocência de que falei a verdade. Sofro da seletividade do órgão acusador [Procuradoria Geral da República] que atua em relação a mim diferentemente de outros investigados com o mesmo foro.”

Cunha agradeceu a Deus pela oportunidade de presidir a Câmara e aos partidos que o apoiaram.

“É público e notório que a Casa está acéfala, fruto de uma interinidade bizarra. Somente a minha renúncia poderá por fim a essa instabilidade sem prazo. A Câmara não suportará esperar indefinidamente”, ressaltou.

Cunha reclamou do tratamento dado à família dele, especialmente à esposa Cláudia Cruz e à filha mais velha. As duas são beneficiárias de trustes na Suíça.

Para ele, este é o preço pago por ter aberto o processo de impeachment.

Apesar da emoção, a estratégia de Cunha é evitar que seu mandato seja cassado. Caso isso ocorra, os processos contra ele seguem para a primeira instância na Justiça do Paraná, para as mãos do juiz Sérgio Moro.

A decisão foi tomada após encontro com advogados e aliados.

Nos bastidores, ele articula indicar o próximo presidente da Casa. O prazo para novas eleições é de cinco sessões, e a previsão é de que a Casa já as convoque para a próxima segunda-feira (11). O predsidente interino, o maranhense Waldir Maranhão, já está tratando daprovidência.

O principal nome é do deputado Rogério Rosso (PSDB-DF). O nome agrada a Cunha e ao Planalto. Há, entretanto, mais de dez parlamentares que articulam candidatura para o posto.

“Desejo sucesso ao presidente Michel Temer e ao futuro presidente da Câmara dos Deputados. Que Deus abençoe esta nação”, concluiu Cunha.

Leia mais...

24 de junho de 2016 - 19:21:07

Sem comentários

Ministro do STF, Teori Zavascki, envia à Justiça Federal de Brasília denúncia contra Lula

Lula: mais uma vez denunciado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Rodrigo Janot, da PGR, queria enviar caso a Sérgio Moro, de Curitiba. Para ministro do Supremo, maior parte dos delitos ocorreu em Brasília.

O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta sexta-feira (24) o envio para a Justiça Federal de Brasília de denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pela suposta tentativa de comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. Também são alvos da mesma denúncia o senador cassado Delcídio do Amaral, o banqueiro André Esteves e outras quatro pessoas.

Os sete são acusados de obstrução à Justiça, por suposta tentativa de atrapalhar a delação de Cerveró na Operação Lava Jato. Procurada, a defesa de Lula informou que não vai se manifestar sobre a decisão.

Para Teori Zavascki, “tais fatos não possuem relação de pertinência imediata com as demais investigações relacionadas às fraudes no ‘ambito da Petrobras’”. Por isso, ele entendeu que deve ser considerado o local onde o suposto crime foi consumado, em Brasília.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao Supremo que o caso fosse remetido para o juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato no Paraná, por entender que havia conexão dos fatos com o esquema de corrupção na Petrobras. Segundo Janot, alguns dos denunciados, como o empresário José Carlos Bumlai, o filho dele Maurício Bumlai e o próprio Cerveró já são alvos de processo no Paraná.

Advogados de defesa dos acusados, no entanto, contestaram o pedido de envio ao Paraná. O banqueiro André Esteves, um dos denunciados, argumentou que o suposto crime foi cometido em Brasília. Já o ex-presidente Lula afirmou que o caso deveria ir para Justiça Federal de São Paulo porque fatos narrados ocorreram naquele estado.

O ministro Teori Zavascki reconheceu que o que permitia que o inquérito seguisse no Supremo era o foro privilegiado de Delcídio. Mas, depois que ele foi cassado, o caso deve continuar na primeira instância, frisou o ministro.

Mas ele entendeu que o próprio Supremo já decidiu que não há a chamada “prevenção” para o que não se referir especificamente à corrupção na estatal. Segundo o ministro, a definição do juízo que deve tocar o caso deve ser feita conforme o local onde o crime foi cometido.

Conforme o ministro, os delitos ocorreram no Rio de Janeiro, em São Paulo e em Brasília, “com preponderância desta última porque onde desempenhava o ex-parlamentar sua necessária atividade”.

Leia mais...

15 de junho de 2016 - 21:57:31

Sem comentários

Maior posto, maior propina! Edison Lobão exigia propina maior por ser ministro, diz Machado

Edison Lobão

Lobão pediu R$ 500 mil mensais; Machado disse que podia pagar R$ 300 mil.
Defesa de Lobão diz que senador nega ter recebidos valores de Machado

O ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado afirmou em seu acordo de delação premiada que foi pressionado a pagar a “maior propina do PMDB” ao então ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, hoje senador pelo PMDB do Maranhão. Segundo Machado, a exigência foi feita por Lobão por causa da condição de ministro e porque a Transpetro estava vinculada ao ministério que ele comandava.

O acordo de delação premiada, que pode reduzir eventuais penas de Machado, em caso de condenação, foi homologado pelo ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF). A íntegra dos depoimentos, que somam 400 páginas, foi tornada pública no inicio da tarde desta quarta-feira (15).

O ex-presidente da Transpetro afirmou a investigadores da Operação Lava Jato ter repassado propina a mais de 20 políticos de 6 partidos. O novo delator contou sobre pedidos de doações eleitorais de parlamentares de PMDB, PT, PP, DEM, PSDB e PC do B.

Leia mais...

15 de junho de 2016 - 21:40:45

Sem comentários

Sarney recebeu R$ 16,25 milhões em dinheiro vivo, diz Sérgio Machado

Sarney José

Segundo delator da Lava Jato, ex-senador recebia propina anualmente. Além do dinheiro em espécie, R$ 2,25 mi teriam sido pagos por doação.

(G1-Brasília) – O ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, afirmou aos investigadores da Operação Lava Jato que o ex-presidente da República e ex-senador José Sarney (PMDB) recebeu R$ 16,25 milhões em propina, pagos em dinheiro vivo, entre 2006 e 2014. Outros R$ 2,25 milhões em recursos obtidos de forma ilegal teriam sido pagos por meio de doações legais, totalizando R$ 18,5 milhões.

O dinheiro era proveniente, conforme Machado, de contratos da subsidiária da Petrobras com diversas empresas. O acordo de delação premiada, que pode reduzir eventuais penas do ex-presidente da Transpetro em caso de condenação, foi homologado pelo ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF).

A íntegra dos depoimentos, que soma 400 páginas, foi tornada pública no inicio da tarde desta quarta-feira (15). Segundo Machado, além de José Sarney, outros 19 políticos de seis partidos receberam propina de contratos da subsidiária da Petrobras com construtoras. O PMDB, responsável pela indicação de Machado, teria arrecadado, no total, R$ 100 milhões, informou o delator.

O ex-presidente da Transpetro relatou aos investigadores que foi procurado por José Sarney, em 2006. No encontro, Sarney teria relatado “dificuldades em manter sua base política no Amapá e Maranhão, e pediu ajuda”. O primeiro repasse, conforme Machado, foi de R$ 500 mil em espécie. A partir de 2008, os pagamentos passaram a ser anuais.

Do total de R$ 18,5 milhões, R$ 2,25 milhões foram pagos por meio de doação oficial pelas empresas Camargo Corrêa e Queiroz Galvão. O restante, R$ 16,25 milhões, foi entregue em dinheiro vivo ao longo de oito anos, segundo Machado.

Leia mais...

15 de junho de 2016 - 17:34:51

Sem comentários

Pelo Maranhão, José Reinaldo aconselha Flávio Dino a ser menos ‘ideológico’ e se aproximar de Temer

Flávio Dino e José Reinaldo Tavares

Por Gil Maranhão e Genésio Jr./ De Brasília

“Essa luta ideológica do governador, ele tem todo o direto de fazer, mas até o limite que não rompa com o governo federal”. A afirmação é do ex-governador do Estado, deputado federal José Reinaldo Tavares (PSB-MA), ao avaliar a atual situação política e social daquele estado do Nordeste, e propor uma aproximação do governador Flávio Dino com o governo de Michel Temer. “O Maranhão precisa do governo federal”, afirmou o parlamentar socialista, em entrevista exclusiva à Agência de Notícias Política Real.
Peça-chave da mudança ocorrida no governo do Estado do Maranhão, desde que rompeu com o grupo Sarney, em 2004, abrindo espaço, primeiramente, para a eleição, em 2006, do ex-governador Jackson Lago (falecido), e consolidada na eleição do governador Flávio Dino, em 2014 – que pôs fim a cinco décadas da mais longínqua e influente oligarquia no País, Tavares recomenda ao seu aliado a deixar de lado a “sua luta ideológica” e construir diálogos com o novo governo federal para resolver problemas crônicos do estado.

Tavares admite que durante muitos anos, o Maranhão aparece entre os estados da Federação que enfrenta as maiores dificuldades financeiras e é detentor de baixos indicadores sociais.

Leia mais...

14 de junho de 2016 - 20:43:18

Sem comentários

Acabou o stress da trinca de ouro! STF nega prisão para Renan, Sarney e Jucá.

A "trinca" Renan-Jucá-Sarney tem prisão negada pelo ministro Teori Zavascki. Eduardo Cunha continua com a corda no pescoço...

O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou nesta terça-feira (14) os pedidos de prisão apresentados pela Procuradoria Geral da República (PGR) contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), o senador Romero Jucá (PMDB-RR) e o ex-presidente da República José Sarney.
Em relação ao pedido da PGR para prender o presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Teori ainda não tomou uma decisão definitiva. Em razão do vazamento do pedido de prisão do deputado do PMDB, o magistrado mandou intimar Cunha a se manifestar em até cinco dias para se defender.

A informação sobre os pedidos de prisão de Renan, Jucá e Sarney foi publicada na edição da última terça (7) do jornal “O Globo” e confirmada pela TV Globo. Já a solicitação para prender Cunha foi divulgada pelo Bom Dia Brasil.

Segundo o jornal, Janot solicitou a prisão de Renan, Sarney e Jucá em razão de suspeitas de que eles estavam tentando obstruir as investigações do esquema de corrupção que atuava na Petrobras.

No caso de Cunha, segundo a TV Globo, o Ministério Público alegou que a decisão do Supremo de afastá-lo da presidência da Câmara e do mandato de deputado federal não surtiu efeito e o parlamentar teria continuado interferindo no comando da Casa.

Os pedidos da Procuradoria foram baseados nos depoimentos do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado aos investigadores da Lava Jato e em gravações que ele fez de conversas com Renan, Sarney e Jucá.

Nos áudios, os políticos do PMDB discutiam estratégias para tentar barrar a Operação Lava Jato. Jucá chegou a afirmar que era preciso fazer um “pacto” para frear as investigações. Nomeado como ministro do Planejamento do presidente em exercício Michel Temer, Jucá foi exonerado após a divulgação da fala.

A PGR viu indícios de que os peemedebistas estavam conspirando para limitar as investigações do esquema de corrupção que atuava na Petrobras.

Incomodado com o vazamento dos pedidos de prisão, o procurador-geral da República determinou que o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, instaure inquérito para apurar o caso.

Leia mais...

13 de junho de 2016 - 23:15:23

Sem comentários

Teori anula escuta de Lula e Dilma e envia para Moro caso de sítio e triplex

Tabelinha Lula-Dilma para salvação do governo vazou, mas Teori eliminou o áudio que quase todo mundo já ouviu

Ministro citou decisão que determinou encerramento de interceptação. Investigações sobre ex-presidente foram enviadas em sigilo para 1ª instância

Renan RamalhoDo G1, em Brasília

O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta segunda-feira (13) o envio para o juiz federal Sérgio Moro, da Justiça Federal do Paraná, as investigações relativas ao sítio em Atibaia (SP) e ao triplex em Guarujá (SP) atribuídos ao ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Na decisão, Teori também anulou a validade jurídica da escuta telefônica que interceptou conversa do petista com a presidente afastada Dilma Rousseff.

Em março deste ano, Moro havia retirado o sigilo de uma série de interceptações telefônicas de Lula e divulgou o teor das conversas, entre as quais o diálogo do ex-presidente com Dilma. Na conversa, os dois tratavam do envio a São Paulo do termo de posse de Lula como chefe da Casa Civil. A escuta foi realizada quase duas horas depois de Moro mandar a Polícia Federal suspender as interceptações telefônicas do petista.

A conversa de Lula e Dilma foi divulgada dias após o Ministério Publico pedir a prisão do petista. No diálogo, a presidente se refere a um “termo de posse” que seria entregue ao petista. Naquele dia, Lula havia sido anunciado para a chefia da Casa Civil. Teoricamente, o termo de posse, o qual demonstrava que a partir daquele momento ele voltava a ter foro priviliado, poderia evitar que ele fosse preso. (veja a conversa completa ao final desta reportagem)
Quando liberou as gravações, em 16 de março, o juiz federal do Paraná afirmou que havia decidido liberar o contéudo das conversas porque, segundo ele, pelo teor dos diálogos era possível constatar que o ex-presidente “já sabia ou pelo menos desconfiava de que estaria sendo interceptado pela Polícia Federal, comprometendo a espontaneidade e a credibilidade de diversos dos diálogos”.

Decisão

Leia mais...

Página 1 de 10612345678910203040Última »


©2012 José Machado - Web Design MP Marketing e Promoção